Padre José Luiz de Fraga

Nasceu na freguesia da Fajã Grande, concelho de Lajes das Flores. Era filho de António Luiz de Fraga, lavrador e de Maria de Jesus de Fraga, doméstica. Teve vários irmãos, entre os quais António Luiz de Fraga, que se distinguiu como poeta.
Com brilhantismo, fez a instrução primária na escola da sua freguesia. Em 1919, foi estudar para o Liceu de Angra do Heroísmo onde foi um aluno exemplar. Concluiu o respectivo curso em 1923. Seguidamente, cumpriu o Serviço Militar obrigatório. Posteriormente, deu entrada no Seminário de Angra do Heroísmo, onde foi um aluno distinto.

Com alta classificação e dignidade, foi ordenado Sacerdote em 1927. Em Outubro desse mesmo ano, passou a exercer as funções de professor do Seminário. Deu inicio, em 1929 ao Serviço Paroquial na paróquia de Santa Luzia na Una Terceira. Seguidamente, passou pela freguesia de Castelo Branco, na Tlha do Faial. Em 31 de Março de 1929, concretiza o seu maior desejo e começa a prestar serviço Sacerdotal na Igreja Matriz de Santa Cruz das Flores, como vigário. Contudo, a 2 de Dezembro de 1940 foi transferido para a Ribeira Seca, concelho da Calheta, na Uha de São Jorge, uma decisão tomada pela diocese de Angra, oriunda de alguma denúncia de indignidades não confirmadas e injustas, talvez resultantes de inveja, devido ao seu prestígio e simpatia que o cercavam.

Permaneceu, então, na ilha de S.Jorge cerca de 2 anos, sendo depois transferido para a Vila do Nordeste, na ilha de São Miguel, em 1943, onde permaneceu 4 anos, como prior, ouvidor e vigário. Seguidamente, foi nomeado pároco da freguesia de São Pedro, na cidade de Ponta Delgada, onde trabalhou arduamente, sobretudo na cadeia daquela cidade. Entretanto, em 1950, visitou o Vaticano, viagem que lhe serviu de tema para um dos seus trabalhos publicado no jornal “As Flores”. Em 1957, foi transferido para a Vila Franca do Campo, onde foi colocado como vigário e ouvidor deste concelho. No entretanto numa viagem aos Estados Unidos sofreu um grave acidente de viação que acabaria por lhe causar a perfuração de um pulmão. Esta perfuração acabaria por lhe causar a morte, em 21 de Junho de 1968. As diversas qualidades de Padre José Luiz de Fraga, nomeadamente os seus dotes poéticos e literários e as suas capacidades de trabalho ficarão para a História, através dos seus escritos e através da sua acção, recordações estas que foi legando, a pouco e pouco às gerações vindouras. Com o Pseudónimo ” Valério Florense”, publicou diversas obras de valor literário, poético e histórico.

Tags: