IV Simpósio da Misericórdia de Nordeste

A Misericórdia de Nordeste promoveu, com assinalável êxito, o IV Simpósio intitulado “As Misericórdias no Século XXI”.

O encontro contou com a participação de profissionais de diversas áreas e de Dirigentes de várias Instituições da ilha de São Miguel, permitindo uma reflexão conjunta acerca da missão das Santas Casas, do presente e do futuro destas Instituições, que desempenham um papel social fulcral na comunidade.

No período da manhã, registaram-se as interessantes intervenções da Docente Universitária Doutora Teresa Medeiros, acerca de Projetos inovadores para as Misericórdias, e do Psicólogo Dr. Francisco Motta Faria, que abordou a afetividade em contexto institucional, sendo os painéis moderados pelo Provedor da Misericórdia de Vila Franca do Campo, Dr. Ricardo Rodrigues, e pelo Provedor de Ponta Delgada, Dr. José Francisco Silva.

Ainda durante a manhã, houve lugar a uma Mesa Redonda, momento emotivo e muito apreciado pela riqueza e vivência dos testemunhos do advogado e escritor Dr. Melo Bento, do Jornalista Santos Narciso, de D.ª Margarida Hintze Mota e da Insp.ª Emília Mendonça. Esta Mesa redonda foi moderada pelo Jornalista Osvaldo Cabral.

No período da tarde, registou-se a presença do Dr. Manuel Lemos, Presidente da União das Misericórdias Portuguesas, que foi Orador do III Painel, abordando o tema “A Sustentabilidade das Misericórdias”. Este Painel foi presidido pela Dr.ª Natércia Gaspar, em representação da Secretária Regional da Solidariedade Social, e teve como Moderador o Presidente da União Regional das Misericórdias dos Açores, Dr. Bento Barcelos.

A encerrar este encontro, contou-se com a presença e intervenções do Representante do Presidente do Governo dos Açores, Eng.º Orlando Goulart, do Dr. Manuel Lemos, do Dr. Bento Barcelos, do Vereador da Câmara Municipal de Nordeste, Luís Dutra e do Provedor, Dr. Eduardo de Medeiros, que fez o balanço do evento, realçando os aspetos mais relevantes das intervenções, sublinhando ainda as dificuldades e os constrangimentos que aportam a concelhos como o Nordeste, apesar da sua ímpar beleza, do seu ambiente calmo e da sua paisagem soberba e sumptuosa.